[Resenha] Mentiras Que Confortam – Randy S. Meyers

Posted on

MENTIRAS_QUE_CONFORTAM

Título: Mentiras que Confortam

Autora: Randy Susan Meyers

Editora: Novo Conceito

Ano: 2015

Páginas: 368

Cinco anos atrás…
Tia apaixonou-se obsessivamente por um homem por quem nunca deveria ter se apaixonado. Quando engravidou, Nathan desapareceu, e ela entregou seu bebê para a adoção.
Caroline adotou um bebê para agradar o marido. Agora ela questiona se está preparada para o papel de esposa e mãe.
Juliette considerava sua vida perfeita: tinha um casamento sólido, dois lindos filhos e um negócio próspero. E então ela descobre o caso de Nathan. Ele prometeu que nunca a trairia novamente, e ela confiou nele.

Hoje…
Tia ainda não superou o fim do seu caso com Nathan. Todos os anos ela recebe fotos de sua garotinha, e desta vez, em um impulso, decide enviar algumas delas para a casa do ex-amante. É Juliette quem abre o envelope. Ela nunca soube da existência da criança, e agora precisa desesperadamente descobrir quantas outras mentiras sustentaram o seu casamento até hoje.

O que eu achei de Mentiras que Confortam?

O livro conta a história de três mulheres que tiveram suas vidas unidas por uma circunstância peculiar. Tia, a amante rejeitada pelo homem que nunca deixaria a esposa; Juliette, a esposa traída; e Caroline, uma terceira mulher que, não fosse pelo destino, não teria nada a ver com tudo isso. Acontece que Tia engravidou de Nathan, marido de Juliette, mas quando foi rejeitada por ele e não quis fazer o aborto que ele havia sugerido, resolveu entregar a criança para adoção. Caroline e o marido, Peter, adotam a criança.

A trama de Mentiras que Confortam é bem interessante e realista. Mostra muito bem como uma decisão errada pode acabar afetando a vida de muitas pessoas, até mesmo de quem não imaginamos e que as mentiras, muitas vezes o caminho mais curto para uma solução ou a opção aparentemente menos dolorosa, podem destruir para sempre a confiança das pessoas.

Mentiras que Confortam  é narrado principalmente pelo ponto de vista das três mulheres. Assim, podemos conhecer o que elas pensam sobre tudo o que passa a afetar suas vidas e suas famílias. Este recurso também permite que o leitor entenda o lado de cada uma delas e que saiba considerar que nem sempre uma ação tem um desdobramento só. A história foi muito bem construída e as várias implicações da adoção de Savannah, a criança fruto do relacionamento de Nathan e Tia, nas vidas de todos os personagens foi a grande linha que uniu todas as partes do texto.

A edição, porém, pecou um pouco na revisão. A tradução estava bem pobre, com falhas graves, como expressões muito comuns no inglês traduzidas de forma literal e que deixava o texto em português completamente sem sentido. Alguns erros de tradução tornaram as frases confusas e o texto repetitivo. A leitura acabou ficando pouco fluida por conta disso. Imagino que se tivesse lido Mentiras que Confortam em inglês, minha impressão geral talvez tivesse sido um pouco melhor.


[Resenha] O Lado Feio do Amor – Colleen Hoover

Posted on

O_LADO_FEIO_DO_AMOR

Título: O Lado Feio do Amor

Autora: Colleen Hoover

Editora: Galera Record

Ano: 2015

Páginas: 336

Quando Tate Collins se muda para o apartamento de seu irmão, Corbin, a fim de se dedicar ao mestrado em enfermagem, não imaginava conhecer o lado feio do amor. Um relacionamento onde companheirismo e cumplicidade não são prioridades. E o sexo parece ser o único objetivo. Mas Miles Archer, piloto de avião, vizinho e melhor amigo de Corbin, sabe ser persuasivo… apesar da armadura emocional que usa para esconder um passado de dor.O que Miles e Tate sentem não é amor à primeira vista, mas uma atração incontrolável. Em pouco tempo não conseguem mais resistir e se entregam ao desejo. O rapaz impõe duas regras: sem perguntas sobre o passado e sem esperanças para o futuro. Será um relacionamento casual. Eles têm a sintonia perfeita. Tate prometeu não se apaixonar. Mas vai descobrir que nenhuma regra é capaz de controlar o amor e o desejo.

O que eu achei de O Lado Feio do Amor?

O Lado Feio do Amor foi o primeiro livro que li da Colleen Hoover. Eu já a acompanho no Facebook há muito tempo, admiro sua iniciativa da Bookworm Box e a forma descontraída e divertida com que ela lida com seus leitores. Entretanto, por diversos motivos, sendo o principal deles a minha extensa lista de livros para ler, não havia lido nada dela até este final de semana.

Várias amigas haviam recomendado seus livros e o frenesi por Colleen na Bienal foi tão grande que eu resolvi fazer uma pausa nas minhas leituras pra incluir O lado feio do amor. A experiência foi bastante interessante e reveladora. A história de Miles e Tate é um romance básico, um new adult que segue a fórmula de sucesso dos demais. Eu gosto muito desse tipo de livros, principalmente para descansar e distrair dos problemas do dia-a-dia, mas O lado feio do amor não atingiu nenhuma das minhas expectativas e me fez reconsiderar seriamente a intenção de ler outros livros da autora.

Em primeiro lugar, o enredo é fraco. Não por ser o típico mocinha boba que se apaixona por cara cafajeste, mas sim porque o cara – Miles, no caso – não é cafajeste, mas sim um idiota completo, que ficou traumatizado por um acontecimento que na minha opinião não justifica seu comportamento (justificaria outros comportamentos, não esse). Fora que a autora inclui um arremedo de conflito que não é em si um conflito, então, cadê o enredo? Só por isso, tudo ficou bem sem sentido pra mim.

Em segundo lugar, porque achei que, para uma autora aclamada nacional e internacionalmente, best-seller que atrai multidões aos eventos onde comparece, o texto é absurdamente pobre. Desta vez, minha crítica não vai para a tradução nem para a revisão do texto publicado no Brasil, porque eu li o texto original em inglês. Sinceramente, a impressão que tive foi a de que a autora escreveu o livro correndo, pra publicar e conseguir mais contratos, mais dinheiro. Não houve uma correção cuidadosa do texto e há tantas palavras repetidas que muitas vezes eu fiquei com vontade de pegar uma caneta e corrigir.

Achei O Lado Feio do Amor um livro raso, nada emocionante, sem nenhum ensinamento por menos que seja a acrescentar. Uma decepção incrível. Sinceramente vou repensar muito a vontade de ler outros títulos da autora novamente. Leitura nada recomendada!


[TAG] Sete Pecados Literários

Posted on

Vi esta Tag no blog Palácio de Livros e fiquei com vontade de responder. Faz tempo que esse post estava aqui nos meus rascunhos, mas eu andei empurrando ele pra frente, por motivos de outros posts de resenhas e divulgação de parceiros, além das ideias novas que iam surgindo e que eu queria escrever antes de responder essa tag. Enfim chegou o momento.

A Tag consiste em responder as perguntas abaixo, relacionando os pecados capitais a obras literárias.

Ganância: qual seu livro mais caro? E o menos caro?
R: Meu livro mais caro é a edição especial de Anna Kariênina, de Liev Tolstoi. O menos caro foi Tudo Pode Mudar, do Jonathan Tropper, que eu comprei numa feira e custou R$ 4,90.
Ira: com qual autor você tem uma relação de amor e ódio?
R: Atualmente acho que estou bem em paz com os autores. O que eu posso dizer que está me deixando meio irritada é o John Green, que fica roteirizando as adaptações de seus livros pro cinema e não tem escrito mais nada. Poxa!
Gula: que livro você devorou sem vergonha alguma?
R: A probabilidade estatística do amor à primeira vista. Li esse livro em um sábado frio e a leitura foi uma delícia. Acabei no mesmo dia.
Preguiça: qual livro você tem negligenciado devido à preguiça?
R: Anna Kariênina. Por ser clássico, acho que fico colocando na cabeça que vai ser maçante e fico empurrando a leitura pra mais pra frente. Isso sem contar que é longo e a tradução que eu tenho ainda é a que é mais fiel ao original e, com isso, preciso estar descansada pra encarar a leitura.
Orgulho: que livro tem mais orgulho de ter lido?
R: O Mundo de Sofia. Sou apaixonada pela história e por tudo o que eu aprendi com esse livro.
Luxúria: quais atributos você acha mais atrantes em personagem femininos e masculinos?
R: Em personagens femininos a habilidade de usar as palavras para se destacar, com perspicácia e humor. Nos homens, os olhares profundos e os gestos que refletem intenções são os que mais me agradam.
Inveja: que livros você gostaria de receber de presente?

R: Gostaria de poder assinar a Bookworm Box, que é uma iniciativa beneficente, promovida pela Colleen Hoover, mas o preço em reais é impraticável, para apenas dois livros.

E aí, gostaram das respostas? Não vou indicar essa tag porque também não fui indicada, mas se você também gostou da ideia e quiser responder, fique à vontade! Mande o link pra eu poder ler seu post, também!


[Resenha] Para Continuar – Felipe Colbert

Posted on

para-continuar_final_1

Título: Para Continuar
Autor: Felipe Colbert
Editora: Novo Conceito
Ano: 2015
Páginas: 224
Envolver-se com a jovem Ayako é a oportunidade perfeita para Leonardo César esquecer a sua vida tediosa e perigosamente limitada, tudo por culpa do seu coração defeituoso.
Enquanto isso, com a ajuda de seu avô, Ayako tem a difícil missão de manter inacessível um porão de dimensões que vão além da loja de luminárias que ela gerencia, repleto de milhares de lanternas orientais, cujo mistério envolve os habitantes do bairro da Liberdade.
A partir dos crescentes encontros entre Leonardo e Ayako, uma nova lanterna surgirá para os dois. Eles terão que protegê-la com afinco, ou tudo que construíram juntos poderá desaparecer a qualquer momento.
O que ninguém conseguiria prever é que Ho, um jovem chinês também apaixonado por Ayako, colocaria em risco o futuro desse objeto. E com ele, o sentimento mais importante que dois seres humanos já experimentaram.

O que eu achei de Para Continuar?

Escrito em uma linguagem moderna e fluida, Para Continuar é o mais novo romance de Felipe Colbert, lançado pela Editora Novo Conceito. Com um toque de magia, assim como Belleville, o livro conta a história de Leonardo, um rapaz que se apaixona à primeira vista por uma garota no metrô. Ele tem um problema no coração que o impede de ter uma vida minimamente agitada, enquanto ela, uma japonesa que mora com o avô no mesmo prédio onde funciona sua loja de objetos de decoração típicos, no bairro da Liberdade, tem uma vida restrita pela incumbência de cuidar do que há no porão da loja. Ho, um chinês que vive com Ayako (a moça) e o avô, é apaixonado por ela e, ao perceber que Leonardo pode ser uma ameaça, passa a se comportar de modo esquisito.
Apesar de a leitura ser fácil e fluida, Para Continuar não foi um dos meus livros preferidos, por diversas razões. A primeira delas é que, além de não gostar da culinária japonesa, não sou uma admiradora da cultura, do estilo ou da filosofia dos japoneses, então, não consegui me conectar à ambientação do livro de modo adequado.
Em segundo lugar, algumas pontas ficaram soltas, como por exemplo, a origem da história das lanternas e até mesmo uma influência maior delas nos personagens, que é o que se espera, tanto pela capa, quanto pelo mistério que as envolve.
Durante boa parte da história de Prometo Continuar eu fiquei me perguntando qual seria a função do Ho, até que quando chega o final, mesmo ficando claro o que aconteceu, não consegui me convencer de que ele tenha sido necessário à trama como um todo. Ele foi um personagem que me irritou, não consegui entende-lo nem simpatizar com ele… nem a mínima compaixão por sua condição, a ponto de ler as páginas sobre ele um pouco mais rápido, confesso… Considero a leitura razoável. A qualidade do texto de Para Continuar é ótima, isso é incontestável, mas a história infelizmente não me pegou.


[Resenha] Prometo Falhar – Pedro Chagas Freitas

Posted on

prometo-falhar_capa_1

Título: Prometo Falhar
Autor: Pedro Chagas Freitas
Editora: Novo Conceito
Ano: 2015
Páginas: 400
Prometo Falhar é um livro que fala de amor. O amor dos amantes, o amor dos amigos, o amor da mãe pelo filho, do filho pela mãe, pelo pai, o amor que abala, que toca, que arrebata, que emociona, que descobre e encobre, que fere e cura, que prende e liberta. Em crônicas desconcertantes, Pedro convida o leitor a revisitar suas próprias impressões sobre os relacionamentos humanos. A linguagem fluida, livre, sem amarras, faz querer ler tudo de uma vez e depois ligar para o autor para terminar a conversa. Medo, frustração, inveja, ciúme e todos os sentimentos que nos ensinaram a sufocar são expostos sem pudores. Mergulhe de cabeça numa obra que mostra que é possível sair ileso de tudo, menos do amor. Você escolhe a ordem em que vai ler as crônicas do jovem escritor que tem 21 obras publicadas e é sucesso de vendas em Portugal.

O que eu achei de Prometo Falhar?

O livro Prometo Falhar, do português Pedro Chagas Freitas, é uma obra maravilhosa sobre o amor real. Escrito em crônicas que falam sobre o amor em todas as instâncias da vida, o livro aproxima o leitor do personagem de cada crônica. Ora narrado pela perspectiva feminina, ora pela masculina, traz diversas mensagens sobre o que nos apaixona nas pessoas.
A maioria dos textos em Prometo Falhar é composta em uma estrutura que lembra poemas, não pelas rimas ou frases curtas, mas pela presença de repetições e gradações, que não deixam o texto maçante – pelo contrário, trazem musicalidade e ritmo. Em todo o tempo somos levados do momento em que o personagem não sabe nada sobre o ser amado até o ponto em que o amor se consuma, ou o tempo passa, percorrendo cada etapa dos relacionamentos, e observando as nuances que compõem os amores.
É o tipo de livro para se ler aos poucos, com calma. Não é uma leitura para se fazer na sequência, com pressa ou sem atenção. Cada texto fala com o leitor em um momento particular, mostrando que o amor é porque é, e que se demonstra nos gestos mais casuais e nas imperfeições e limites. Prometo Falhar é recomendado para quem gosta de ter um livro de cabeceira!