[Blogagem Coletiva] Carta pro melhor amigo

Posted on

Este é um post da blogagem coletiva do Rotaroots, um grupo de blogueiros que quer resgatar aquela essência mais verdadeira dos blogs, em que o conteúdo criativo e autoral era mais presente, sem regra nenhuma!

O tema de hoje é escrever uma carta para meu melhor amigo. Pois bem. O dia do amigo se aproxima e eu tenho pensado bastante sobre esse tema. Vai ter mais post sobre isso, fiquem ligadinhos!

Mas escrever uma carta pro melhor amigo, ao invés de ser uma tarefa simples, é uma coisa complicada… Hoje em dia não é tudo que se pode falar. A internet dá uma proporção exagerada demais a algumas coisas e ao mesmo tempo que aproxima alguns, afasta outros, e é o reino do mal-entendido.

Por isso, quero escrever uma carta, sim, mas não pro meu melhor amigo, mas sim, pra todos eles, em todas as eras que existiram, como se fossem um só. Como se essa entidade chamada melhor amigo fosse representada em cada fase por um rosto diferente.

Olá,

Estou com saudade de você. Sei que nos vemos muito pouco, com essa vida maluca que a nossa existência adulta nos forçou a ter. Mas ainda assim sinto falta do tempo que passamos juntos.

Sei também que eu não sou a mais presente das amigas, que eu não ligo e que nem sempre posso sair quando você me chama, mas saiba que eu estou me esforçando pra mudar essa característica meio antissocial. E às vezes, quando saio do meu casulo, sua agenda e a minha insistem em não bater.

Mas quero te agradecer. Por ter secado minhas lágrimas quando aquele idiota riu da minha cara sem motivo, por ter me levado pra conhecer tantos lugares legais e ter me apresentado seus amigos malucos. E, claro, por ter acobertado minhas farras e as minhas saídas escondida, quando foi preciso.

Obrigada por ter atendido o telefone quando eu liguei e por ter emprestado seu ouvido quando aquela professora não quis entender o que eu tinha escrito e me deu uma nota abaixo do que meu espírito nerd foi capaz de suportar.

Obrigada por ter segurado minhas mãos e orado comigo quando a coisa apertou e apenas Deus podia resolver a pendenga. Obrigada por ter me buscado do outro lado da cidade só porque eu precisava me animar e sair da fossa. Obrigada por acreditar que eu conseguiria dar a volta por cima.

Lembra das paródias musicais, de quando fingíamos ser comprometidos quando algum babaca ou alguma periguete queria certas liberdades? E quando você ficou desesperado porque a menina não sabia se queria você ou seu amigo? Quantas conversas, quanto desabafo.

Outro dia lembrei daquela vez que nós viajamos. Queria fazer isso de novo! Descobri que além de um amigo super divertido, tenho um excelente companheiro de viagem.

Minha mãe perguntou de você, se tenho te visto, se está tudo bem. Vem aqui em casa! Quero te mostrar a casa nova, os cachorros… Podemos fazer um churrasquinho, e colocar o papo em dia. O que acha?

Me liga! Ou então, me manda mensagem no whatsapp, vamos marcar logo de nos ver, ok?

Um beijo!

Mora em Ribeirão Preto, gosta de ler desde sempre. Apaixonada por café, por um bom vinho e por histórias que aquecem o coração.

[Blogagem Coletiva] Coisas que eu Considero Impossíveis

Posted on

Na blogagem coletiva deste mês, temos que escrever sobre coisas que consideramos impossíveis. No começo achei que ia ser difícil sair alguma cosa desse post, mas depois de pensar por um tempo, acabei chegando a algumas respostas que, pra mim, são realmente impossíveis.

Usar o controle do videogame: gente, já tentei de todas as formas, mas sempre acabo com uma raiva imensa do videogame e aquela vontade de tacar o controle na parede… Não consigo usar a mão esquerda e a direita de forma coordenada pra fazer o que é preciso no jogo, muito menos quando cada mão tem que fazer um movimento muito diferente do outro.

Enxergar imagens em 3D: com exceção de algumas atrações da Disney e dos parques da Universal, não consigo enxergar imagens 3D. Depois de tentar de tudo, de fazer os olhos quase saírem das órbitas, acabei achando algumas explicações médicas sobre o assunto: estrábicos não podem enxergar imagens em 3D porque não enxergam com os dois olhos ao mesmo tempo. Ou seja, no meu caso é, sim, impossível.

Tomar leite puro: sabe que eu acho uma coisa impressionante as pessoas pegarem um copão de leite puro e tomarem numa golada só. Seja quente, frio, com sucrilhos… Não adianta. Bem que eu já tentei desfazer essa impressão, mas aquilo cresce na boca, fermenta, e simplesmente não consigo por pra dentro.

Ficar acordada em filmes de ação: A falta de enredo plausível, o excesso de perseguições, carros, tiros e efeitos especiais fantásticos me entediam de tal forma que eu mal consigo assistir a apresentação dos personagens. Meu marido até já desistiu de me fazer assistir filmes assim, porque eu acabo não assistindo mesmo.

Dormir sem cobertor: Sabe aquele friozinho que dá quando a gente está caindo no sono? Eu sinto isso até no maior calor do verão, por isso, preciso sempre de uma coberta, ou de um lençol, senão, não consigo nem pregar o olho.

Mora em Ribeirão Preto, gosta de ler desde sempre. Apaixonada por café, por um bom vinho e por histórias que aquecem o coração.

[Blogagem Coletiva] 5 músicas com os melhores riffs/solos de guitarra

Posted on

Esse post é mais uma das ideias de blogagem coletiva do Rotaroots, um grupo que quer trazer de volta a essência dos blogs de antigamente, promovendo a criatividade e o conteúdo autoral, sem regras ou posts pré-formatados.

Hoje é Dia Mundial do Rock, então é óbvio que eu, como boa (mais ou menos) rockeira, tinha que fazer um post especial, nesse dia, não é verdade? Pois então, decidi trazer pra vocês as cinco músicas com os melhores solos de guitarra.

Apesar de eu gostar de ouvir as músicas pra querer identificar o baixo – principalmente depois que descobri que o meu marido faz a mesma coisa – algumas músicas se destacam pelos solos de guitarra viciantes. Estes são os que me fazem perder a cabeça. Vem ver!

Come as You are

Back in Black

Smells Like Teen Spirit

The Unforgiven

The Unforgiven II

Além desses vídeos, fiz uma playlist no Spotify, que você pode seguir, com estas músicas. Se quiser, pode me contar aí nos comentários quais seriam suas escolhas pra esse tema, ou então, se você participou desse post do Rota, colocar seu link aí nos comentários, pra eu poder ler e ouvir as músicas com os solos de guitarra que você escolheu, ok?

Mora em Ribeirão Preto, gosta de ler desde sempre. Apaixonada por café, por um bom vinho e por histórias que aquecem o coração.

[Blogagem Coletiva] [Tag] Livro em Fatias – Dia da Pizza

Posted on

Hoje é Dia da Pizza!! Além de comprar uma deliciosa para saborear, acompanhada de uma bela taça de vinho, hoje quero trazer pra vocês a TAG Livro em Fatias, sugerida na blogagem coletiva do grupo Culturação. Nesta tag, a ideia é atribuir um livro para cada fatia, conforme o grau de gostosura do livro.

1ª fatia: O mais gostoso de todos eles, aquele que você come primeiro com os olhos

A menina que roubava livros – Markus Zusak. Comprei o livro bem na época do lançamento, mas confesso que nem li direito a sinopse. A capa maravilhosa do livro é que me fez levá-lo para casa.

2ª fatia: Você está só começando e o segundo pedaço sempre deixa um gostinho de quero mais

Série Noites em Florença – Sylvain Reynard. Eu li só o primeiro livro, um conto que antecede o início dessa série, mas estou morrendo de curiosidade pelos próximos volumes.

3ª fatia: Aquele que te faz querer outros sabores

O Inferno de Gabriel – Sylvain Reynard. Eu me apaixonei pela escrita do autor e quero ler tudo o que ele escrever.

4ª fatia: Quando você pensa que não vai conseguir comer, ele apenas abre mais o apetite

Melancia – Marian Keyes. As primeiras páginas foram absurdamente arrastadas, mas depois que a história engrenou, eu não consegui largar a história até ter lido a história das cinco irmãs Walsh!

5ª fatia: Não tem o mesmo sabor que os outros pedaços, mas ainda assim você come

A redenção de Gabriel – Sylvain Reynard. O último volume da trilogia de Gabriel e o mais desnecessário na minha opinião. Li, porque gosto da escrita do autor e porque já tinha lido todo o começo da história, mas não foi o meu preferido.

6ª fatia: Você já não está mais sentindo o gosto dele

O Palácio da Meia-Noite – Carlos Ruiz Zafón. Mesmo gostando da escrita do autor, não consegui ler esse livro muito rápido e, no fim das contas, não foi uma das minhas histórias favoritas, mesmo.

7ª fatia: Aquele que te deixou empanturrado

Proibido – Tabitha Suzuma. O tema do livro é bastante indigesto e, ainda que tenha gerado uma bela discussão, não consegui me convencer e achar que a história é linda.

8º fatia: Você não aguenta mais nem olhar para ele

A Menina Mais Fria de Coldtown – Holly Black. Não costumo abandonar livros, mas esse eu realmente não consegui continuar. Por isso a escolha.

Gostaram?? Não vou indicar ninguém para essa tag, pois prefiro deixar aberto a quem quiser responder. Quem fizer, por favor, coloca o link aqui pra mim, ok? Quero ler as respostas de vocês!

Mora em Ribeirão Preto, gosta de ler desde sempre. Apaixonada por café, por um bom vinho e por histórias que aquecem o coração.

[Blogagem Coletiva] Coisas que me enlouquecem

Posted on

Algumas coisas me deixam louca da vida! Algumas, acontecem comigo simplesmente porque eu sou distraída, ou desastrada, enquanto tem umas que são causadas por outras pessoas. Na blogagem coletiva de junho do grupo Blogs que Interagem, o tema é justamente esse. Por isso, vou contar um pouco sobre as coisas que me enlouquecem nessa vida.

Esquecer o carregador do celular

sem bateria

Não foi uma nem duas, mas trocentas vezes que eu esqueci de colocar o carregador do celular em casa. Ou que eu esqueci na casa de alguém. E, nessa vida de blogueira, redes sociais, e-mails e WhatsApp, a pior coisa que pode existir é ficar sem bateria no celular bem no meio da tarde. Acredite, é bem nesse momento que vou precisar dele e, claro, vou estar sem o carregador pra resolver o problema.

Esquecer o celular em casa

cadê meu celular

Quantas vezes eu não fiquei tão desesperada pra não esquecer de pegar o carregador e colocar na bolsa, que acabei esquecendo o próprio celular, gente? É angustiante pensar que você pode precisar ligar pra alguém, ou então, jogar um joguinho naquele horário de almoço ou fila de banco entediante… Ou então seu e-book está salvo ali e você esqueceu o tablet pra continuar lendo, também. É ou não é pra ficar louca mesmo??

Quando mexem nas minhas coisas

não perturbe

Odeio. Odeio muito. Nossa, eu fico louca só de imaginar que mexeram nas minhas coisas. Por mais que eu não saiba exatamente onde a pessoa mexeu, eu sempre sei que alguma coisa está errada quando isso acontece. É o porta lápis que não está do lado certo ou a sua pilha de relatórios do trabalho que está um pouquinho mais pra frente, na mesa do escritório… e só de sentar ali eu me sinto desconfortável, como se as coisas estivessem completamente fora do lugar, mesmo que seja só um milímetro.

Quando leem por cima do meu ombro

ler sobre ombros

A não ser que eu tenha te chamado pra ver algo no computador/livro/revista etc. que eu estiver lendo, por favor, em nenhuma hipótese se atreva a ler por cima do meu ombro. Não tem coisa mais desagradável do que isso (quer dizer, tem sim, mexer nas minhas coisas). Pra piorar, tem gente que faz isso e ainda comenta, ou pede pra você voltar porque ele ainda não acabou de ler. CARA, não faz isso. Mesmo.

Quando mudam as configurações dos meus gadgets

não mexa no meu celular

Gosto de manter a tela do meu celular com um determinado brilho, a orientação bloqueada, as configurações de privacidade de uma determinada forma. Aí vem alguém que pede seu aparelho emprestado, aumenta ou diminui o brilho da tela, desbloqueia a maldita orientação da tela (e ela fica oscilando entre retrato/paisagem conforme sua posição) e altera minhas configurações do aparelho. Já to tremendo só de pensar no assunto.

E você, tem algo que te deixa louco? Conta pra mim!!

Se quiser ler mais sobre o assunto, os blogs Little Wonders e Juro de Mindinho também participaram da blogagem coletiva e escreveram sobre isso.

Mora em Ribeirão Preto, gosta de ler desde sempre. Apaixonada por café, por um bom vinho e por histórias que aquecem o coração.